29 de maio de 2014

Transtorno Alimentar


Doenças relacionadas ao comportamento alimentar podem estar associadas a problemas familiares, bullying, baixa auto estima, falta de consciência e  influência da mídia que, cada vez mais, associa beleza, glamour e riqueza às mulheres magras.

Tanto a anorexia quanto a bulimia comprometem a saúde mental, física e biológica, colocando em risco a vida da pessoa. Em ambos os casos, há uma preocupação excessiva com a alimentação e a perda de peso; há uma distorção da imagem corporal e comportamentos alimentares descontrolados e/ou descompensados.

Esta é a realidade de muitos meninos e meninas que se submetem a dietas rigorosas em busca de um corpo “aceitável”. Seja passando por jejuns prolongados, comendo uma mísera maçã por dia, ou seja provocando vômitos após compulsivas refeições altamente calóricas. São tentativas encontradas para acabar com a angustia, ansiedade e tristeza que infernizam esses pacientes.

Elogios do tipo “ – como você emagreceu” ou “- Nossa, como você está magra (o) “, funcionam como uma droga que os alimentam e os viciam de tal forma a querer mais, é a força que precisam para continuar o que estão fazendo. Quem sofre dessas doenças busca auto aprovação e, infelizmente, nunca há limites. Querem sempre perder dois ou três quilinhos. Existe uma distorção da imagem, e mesmo com alertas de amigos e familiares, a pessoa não consegue enxergar a magreza extrema na qual chegou.

Desequilíbrios bioquímicos afetam os neurotransmissores cerebrais, que tem função de controlar o apetite, o humor e os hábitos de sono, fazendo com que desenvolvam quadros de depressão; alterações da sensação de fome, ou então, procuram dormir para que a fome “ passe”.


O tratamento envolve paciência e uma equipe multidisciplinar com psicólogos, nutricionistas e médicos, sem contar que o apoio da família e amigos é de extrema importância para que o paciente entenda que ele não está sozinho nessa luta. Sendo possível retomar, de forma gradual e progressiva, comportamentos alimentares normais e aumento da autoestima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário