1 de junho de 2015

Saúde intestinal. Como está a sua flora intestinal?


Você já deve ter ouvido dizer que “somos o que comemos”, mas na verdade “somos aquilo que absorvemos”, por isso a mucosa intestinal deve estar íntegra, com bactérias benéficas, para garantir uma melhor absorção (aproveitamento) dos nutrientes e eliminação de toxinas.

Se uma pessoa não tem essa integridade intestinal, há um aumento da permeabilidade intestinal e ocorre exatamente o oposto, a absorção de nutrientes fica comprometida e acontece a absorção de toxinas e substâncias indesejadas. 

No intestino grosso temos a microbiota intestinal, um grupo de aproximadamente 100 trilhões  de bactérias, entre boas e ruins que vivem em nosso intestino.  O equilíbrio dessas bactérias vai garantir saúde e vitalidade.

O desequilíbrio da microbiota intestinal é chamado de disbiose, as causas da disbiose estão relacionados com uso de antibióticos e anti-inflamatórios, estresse, hipersensibilidade alimentar, excesso de açúcar e carboidratos refinados (pães, bolos, massas, doces, salgados), álcool e alimentos processados (industrializados).

Além de sintomas gastrointestinais como prisão de ventre ou diarreia, gases excessivo, má digestão outros sintomas e doenças extra-intestinais estão relacionados à disbiose: queda de cabelo, unhas fracas, candidíase de repetição, cansaço, alterações metabólicas (colesterol alto e gordura no fígado),  rinite, sinusite, amidalite, dermatite e baixa imunidade.

Primeiramente, para tratar a disbiose é importante saber quais as principais causas para traçar o tratamento. Alguns alimentos auxiliam no processo da revitalização intestinal como a biomassa de banana verde, que funciona como prebiótico, essencial para alimentar as boas bactérias. A suplementação com probióticos é fundamental pois os lactobacilos presentes nos iogurtes industrializados não tem a capacidade de se fixar na parede intestinal e se multiplicar. Uma dieta equilibrada, rica em fibras, baixa em alimentos refinados e processados vão garantir a saúde intestinal. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário